Margem Bruta, Líquida e De Contribuição — Aprenda o Que É e Para Que Serve

entenda o que é margem bruta

Existem alguns indicadores da empresa que precisam ser conhecidos pelos empreendedores, como a margem bruta, líquida e de contribuição. Essas informações ajudam a definir algumas estratégias para que o negócio se torne mais rentável. 

Vale a pena conhecer esses conceitos e como calculá-los. Isso permitirá entender, por exemplo, quais produtos garantem mais retorno financeiro. Saiba mais sobre esse tema neste artigo!

O que é margem bruta?

Engana-se quem pensa que os empreendedores só devem saber qual é o lucro da empresa. A margem bruta também é importante, pois se refere a quanto um negócio ganha pela venda de um produto. 

Ao fazer esse cálculo, é possível descobrir quais itens têm a margem bruta maior. A partir disso, você pode focar mais nos itens que não estão com a margem tão alta. 

Para descobrir esse valor é bastante simples, veja só: 

  • – receita total (o quanto foi vendido) = R$ 10 mil;
  • – custos = R$ 2 mil;
  • – lucro = R$ 10 mil – R$ 2 mil: R$ 8 mil;
  • – margem: R$ 8 mil/R$10 mil (Lucro dividido pela receita) x 100.

Nesse caso, a margem de lucro é de 80%. Além desse indicativo servir para as estratégias internas, ele também é usado para ser apresentado a investidores e/ou bancos, pois indica a lucratividade do negócio

Por sua vez, caso apenas o lucro (R$ 8 mil) fosse considerado, ele poderia não corresponder à realidade. Por exemplo: a receita poderia ser R$ 50 mil e, então, a margem seria de 16% — um número menor do que os 80% mostrados acima. 

É importante notar ainda que a margem bruta não leva em consideração os impostos e encargos. O cálculo sem esses valores é chamado de margem líquida. 

Margem líquida: entenda!

Para obter a margem líquida, é necessário abater os custos envolvidos com a produção, como aluguel, impostos, telefone, água, etc. Pode até parecer mais complicado, porém, não é. Usando os mesmos números anteriores, veja a diferença:

  •  receita total= R$ 10 mil;
  • – custos = R$ 2 mil;
  • – impostos: R$ 500;
  • – despesas fixas e variáveis: R$ 500;
  • – lucro = R$ 10 mil – R$ 2 mil – R$ 500 (impostos) – R$ 500 (despesas): R$ 7 mil;
  • – margem: R$ 7 mil/R$10 mil (Lucro dividido pela receita) x 100.

Nesse caso, a margem líquida é 70% e não mais 80%, porque 10% foi gasto para pagar despesas e impostos. Ou seja, esse indicador representa exatamente o que o empreendedor ganhou. 

Margem de contribuição: o que é?

A margem de contribuição, também chamada de lucro bruto, é o indicador que mostra o quanto de dinheiro sobrou da receita obtida na venda de um produto. Para isso, é necessário considerar os gastos com despesas fixas e variáveis. 

Na prática, a margem de contribuição é representada pelo valor de venda menos o custo do produto. Veja só como ficaria a fórmula: 

  • – preço de venda: R$ 120;
  • – custos: R$ 60;argem: R$ 120 – R$ 60: R$ 60.

Como se vê no exemplo acima, 50% do valor recebido pelo produto é gasto para cobrir custos. 

Desse modo, a margem de contribuição está diretamente relacionada à precificação. Afinal, se um item custa R$ 120 para ser produzido e colocado no mercado, não compensa vendê-lo por R$ 125. 

Quanto mais apertada for a margem, mais perigosa ela é para o negócio. A empresa precisa continuar gerando caixa para o capital de giro. Caso contrário, ela não conseguirá se manter quando as vendas caírem. 

No entanto, não é possível falar de uma margem ideal, pois tudo irá depender das estratégias da empresa. O recomendável é que esse valor possa cobrir as despesas envolvidas e garantir o lucro desejado. 

Vantagens de saber sobre margem bruta, líquida e de contribuição

Fazer uma análise atenta da margem bruta, líquida e de contribuição é essencial para as tomadas de decisões da organização. Além de auxiliar na precificação, esses números podem indicar quais produtos podem ser priorizados, por exemplo, por serem mais procurados ou terem um ticket maior. 

Caso a empresa desejar abrir novos canais de comercialização, pode valer mais a pena focar no aumento do volume de vendas do que em ter uma margem bruta alta. Depois de algum tempo, quando o negócio se tornar mais conhecido, é possível que a lucratividade cresça. 

Conclusão

Neste conteúdo, você aprendeu o que é margem bruta, líquida e de contribuição, além de entender como calculá-las. Descobriu ainda a importância de usar esses indicadores alinhados com os objetivos e estratégias da empresa. 

Acompanhar esses números fará  grande diferença para os seus negócios. Então, não deixe de monitorar os custos e vendas para obter os melhores resultados!

Quer saber mais sobre gestão e empreendedorismo? Aqui no Ignição Digital você tem conteúdos exclusivos sobre esses e outros temas importantes para a sua empresa. 

Fórmula de Lançamento - Inscrições Abertas

Este guia definitivo reúne a base de todas as minhas estratégias de marketing para alavancar vendas ou criar um negócio 100% digital do zero.

DIGITE SEU E-MAIL E BAIXE O SEU GUIA GRATUITAMENTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *