Marketing e Cultura do Cancelamento — Como Gerir um Negócio para Evitar o Cancelamento da sua Empresa?

marketing-e-cultura-do-cancelamento

Se você ainda não ouviu falar de artistas e empresas que foram canceladas, é preciso ficar de olho. Esse hábito recente pode prejudicar tanto a imagem quanto o faturamento da sua marca, afinal, existe uma forte relação entre marketing e cultura do cancelamento. Por isso, neste artigo, você poderá entender:

  • – o que é a cultura do cancelamento;
  • – o lado bom e ruim do cancelamento;
  • – a relação entre o marketing e cultura do cancelamento;
  • – como gerir uma empresa para evitar o cancelamento.

O que é a cultura do cancelamento?

A cultura do cancelamento é um termo que ganhou destaque nos últimos anos e, aparentemente, chegou para ficar. Hoje, além de celebridades e influenciadores digitais, as empresas também podem ser canceladas pelo fato das pessoas não concordarem com algum posicionamento da marca. 

É uma onda impulsionada pelas redes sociais onde a marca tem seu conteúdo sabotado e o público declara que, a partir daquele momento, não é mais cliente da empresa. 

Na prática, a cultura do cancelamento funciona assim: uma pessoa considera o posicionamento de uma marca errada e divulga o “erro” na internet. O alcance se torna praticamente viral quando famosos, autoridades e influencers passam a corroborar com a crítica e a empresa se torna cancelada. 

O lado bom e ruim do cancelamento

Não existe relação apenas entre o marketing e cultura do cancelamento, que acaba prejudicando a imagem da marca assim como seu planejamento de comunicação.

Esse novo hábito também impacta negativamente no faturamento da empresa. Afinal, pode-se perder uma grande quantidade de clientes e ainda ter reestruturar todo o seu plano de comunicação. 

No entanto, o lado bom do cancelamento existe, uma vez que a empresa pode sair mais forte disso tudo. Muitas passam a transformar seu posicionamento e, em meio a essa crise, podem sair muitas ideias novas, tornando a empresa em uma versão melhor dela mesma. 

A relação entre o marketing e cultura do cancelamento

Como falamos acima, a relação do marketing e cultura do cancelamento existe. Vamos usar como exemplo a marca de cerveja Skol, que foi cancelada pelo seu público feminuno a respeito de suas campanhas consideradas sexistas e machistas, usando a mulher de maneira objetificada. 

A frase “Esqueci o Não em Casa”, da campanha de 2015, foi extremamente mal recebida e, em 2018, a Skol criou a nova campanha de Carnaval contra o assédio sexual, onde apontava a diferença entre paquera e assédio. 

Esse exemplo é muito útil para mostrar como uma marca pode usar o cancelamento para se renovar, passar a se comunicar com um público que antes era ignorado (no caso, as mulheres) e conquistar mais clientes. 

Como gerir uma empresa para evitar o cancelamento

A palavra-chave para que sua empresa não seja cancelada é a transparência. Mas, mais que isso, a assertividade na comunicação também é fundamental. Isso quer dizer que campanhas de marketing e conteúdos divulgados na internet não podem ter espaço para interpretações ambíguas pelo público.

É preciso fazer tudo isso seguindo sempre o tom de voz, identidade e valores da marca. No entanto, se os valores da marca não são mais bem recebidos pelo público-alvo, talvez seja o momento de modificá-los ou arcar com as consequências de se dirigir a um público específico. 

Veja, a seguir, os principais motivos para que levam as pessoas a cancelarem uma marca e como evitá-los:

Performance do produto

Se o produto não atinge as expectativas do consumidor ou a propaganda feita foi enganosa, ele pode cancelar a empresa. Para isso, é preciso transparência ao falar dos seus produtos e serviços e, em caso de insatisfação ou reclamação, procurar resolver de forma rápida;

Comportamento dos representantes

Ao pensar em marketing e cultura do cancelamento não tem como não considerar os influenciadores digitais. As pessoas podem cancelar uma marca se o influenciador digital contratado se comportar de uma forma que elas reprovam. 

Para evitar isso, as empresas devem conhecer muito bem o influencer antes de fechar uma parceria e certificar-se de que ele está alinhado aos valores da marca;

Expectativas não correspondidas

É quando a marca usa um arquétipo de personalidade amigável, simpática e calma mas, durante um atendimento, o consumidor não sente nada disso. Outro exemplo é quando a marca apoia uma causa teoricamente mas, na prática, ela não é aplicada no dia a dia. 

Para evitar que isso aconteça, a empresa precisa se certificar de que todas as áreas estão, de fato, aplicando o que é comunicado. Dessa forma, as pessoas não acharão que o posicionamento da marca é falso. 

Conclusão

A cultura do cancelamento é um hábito que surgiu nos últimos anos e sua força é baseada nas redes sociais. Quando o público sente-se enganado ou “desalinhado” com o posicionamento de uma marca, por exemplo, ela pode ser cancelada e ter seu alcance e lucro prejudicados. 

Para evitar que isso aconteça, é preciso que as marcas estejam sempre muito bem alinhadas às transformações do seu público-alvo e seus valores. A transparência na comunicação é, portanto, a grande sacada. 

Continue acompanhando o blog da Ignição Digital para mais conteúdos sobre  marketing e cultura do cancelamento, gestão e negócios! 

Fórmula de Lançamento - Ebook

Entre os dias 17 e 20 de maio de 2021 vai acontecer a Jornada 6 em 7. Uma série de 4 encontros ao vivo onde eu vou mostrar como faturar 6 dígitos em 7 dias no seu negócio atual ou em um novo negócio online. Acesse todas as informações e faça a sua inscrição 100% online e gratuita:

FAÇA SUA INSCRIÇÃO

De acordo com as Leis 12.965/2014 e 13.709/2018, que regulam o uso da Internet e o tratamento de dados pessoais no Brasil, ao me inscrever autorizo Erico Rocha a enviar notificações por e-mail ou outros meios e concordo com sua Política de Privacidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *